Rússia cogita multar quem usar internet Starlink da SpaceX

Muita gente que vive em áreas rurais ou afastadas de centros urbanos vê nos satélites da rede Starlink, da SpaceX, a chance de ter acesso banda larga à internet de boa qualidade. Mas quem vive na Rússia poderá não contar com esse serviço: o governo do país estuda um projeto de lei que penaliza com multa o usuário que contratar internet via satélite de companhias estrangeiras.

Satélite Starlink, da SpaceX

Satélite Starlink, da SpaceX (imagem: divulgação/SpaceX)

Se a lei entrar em vigor, impedirá as operações na Rússia não só da rede Starlink, mas também de serviços como o da OneWeb. Mas é mesmo a plataforma da SpaceX que poderá ser mais afetada, tanto por ser mais conhecida quanto por ter um plano de cobertura mais audacioso.

Atualmente em fase beta, a rede Starlink prevê conexões de até 150 Mb/s e latência de 20 milissegundos. Por ora, o serviço está limitado aos Estados Unidos, mas há planos para atuação global. Para tanto, a intenção é fazer o serviço ter 12.000 satélites em operação e alcançar conexões de 1 Gb/s nos próximos anos.

Para membros da Duma Estatal, o órgão legislativo da Rússia, redes de satélites operadas por companhias estrangeiras podem burlar o sistema que monitora a internet e as comunicações móveis do país. Esse sistema exige que todo o tráfego online russo passe por um provedor do país.

Como se não bastasse, Dmitry Rogozin, chefe do programa espacial da Rússia, vê a SpaceX como uma companhia rival no que diz respeito a voos espaciais. Para ele, a rede Starlink faz parte de “uma política bastante predatória, inteligente, poderosa e altamente tecnológica” para atender aos interesses militares dos Estados Unidos.

Caso a lei seja aprovada, os usuários que contratarem um serviço da Starlink ou de outra companhia estrangeira estarão sujeitos a multas que, quando convertidas para dólar, variarão entre US$ 135 a US$ 405. Para empresas, a multa pode variar entre US$ 6.750 a US$ 13.500.

A “esperança” para os russos está em uma solução caseira: a Rússia também planeja lançar a sua própria rede de satélites para internet. Trata-se de um programa conhecido como Sphere e que está previsto para entrar em operação em 2024.

O problema é que há desconfiança sobre a viabilidade do projeto. Estima-se que a rede russa de satélites poderá ter custo equivalente a US$ 20 bilhões. Para fins de comparação, a Agência Espacial Federal Russa tem orçamento anual estimado em US$ 2,4 bilhões.

Com informações: Popular Mechanics, Ars Technica.