Pix já passa de R$ 500 bilhões movimentados desde lançamento

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central, já movimentou mais de R$ 508 bilhões desde seu lançamento, em novembro de 2020. De acordo com o levantamento divulgado pelo BC, até o fim de fevereiro de 2021, a modalidade foi responsável por mais de 653 milhões de transações, considerando ordens de pagamento e devoluções.

Pix (Imagem: Divulgação/Banco Central)

Pix (Imagem: Divulgação/Banco Central)

Ao todo, o sistema já conta com 73,2 milhões de usuários e mais de 181 milhões de chaves cadastradas – cada usuário pode cadastrar até cinco chaves por conta. A marca superou até mesmo as expectativas do Banco Central.

Ao Telesíntese, o Chefe de Subunidade do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do BC, Breno Santana Lobo, afirmou que “não esperava que as adesões fossem tão rápidas como têm ocorrido”. Para Lobo, “a população em geral conseguiu enxergar os benefícios do Pix e o uso está bem mais generalizado do que o esperado”.

Apesar do sucesso, o Pix ainda tem alguns caminhos a percorrer para oferecer todos os serviços prometidos. Um deles, o Pix Cobrança, que permite gerar pagamentos com vencimento, já foi adiado duas vezes. Além disso, saques no comércio, registros de recebíveis e Pix por aproximação também não estão disponíveis para os usuários.

Pix virou alvo de golpes em seus primeiros meses

De acordo com Lobo, as demais ferramentas do Pix serão lançadas somente quando o sistema tiver a infraestrutura adequada, com a segurança mínima necessária para a realização das operações, evitando fraudes.

A preocupação do Banco Central é especialmente importante em um cenário no qual o Pix já virou alvo de golpes. Apesar de ser considerada segura pelo BC, a modalidade é altamente explorada por criminosos que se aproveitam da falta de informação de muitos usuários.

Saiba mais sobre o assunto no Tecnocast 182 – Cuidado com os golpes no Pix:

Com informações: Telesíntese