Novo vazamento expõe 100 milhões de números de celular no Brasil

Um novo vazamento de dados foi descoberto no Brasil. Desta vez, 100 milhões de números de celular foram expostos na dark web – incluindo o do presidente da República, Jair Bolsonaro, e dos apresentadores William Bonner e Fátima Bernardes. As informações são da empresa de cibersegurança PSafe e foram reveladas pelo site NeoFeed nesta quarta-feira (10).

Celular na mão

Celular na mão (Imagem: Gilles Lambert/Unsplash)

A descoberta foi feita pelo  dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital que vem expondo diversas vulnerabilidades em empresas e instituições do governo brasileiro. Ao todo, foram 102.828.814 contas vazadas. Os registros envolvem operadoras de telefonia celular e incluem, além do número, o tempo de duração de ligações, além de outras informações pessoais.

A PSafe planeja enviar um relatório detalhado sobre a investigação à Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANDP).

Vazamento teria origem em base de grandes operadoras

Segundo o hacker que está vendendo as informações na dark web por US$ 1, o vazamento teve origem nas bases de clientes das operadoras Vivo e Claro – no entanto, ainda não há nenhuma comprovação sobre esta alegação.

A ANDP é a principal autoridade neste caso, e apesar de ainda não poder realizar julgamentos, tem autonomia para acionar o Ministério Público ou a Polícia Federal, que por sua vez podem pedir esclarecimentos às empresas.

De acordo com a PSafe, o cibercriminoso afirmou ainda que conseguiu armazenar 57,2 milhões de contas telefônicas da Vivo, tendo acesso ao nome, número de telefone, RG, endereço, informações sobre atraso no pagamento, dívidas e valor de faturas. Já outros 45,6 milhões de registros seriam da operadora Claro, e revelam CPF, CNPJ, endereço, e-mail, número de telefone, entre outros dados. Os números citados não correspondem ao total de clientes cadastrados atualmente em ambas as empresas.

Em nota, a Claro afirma que “não identificou vazamento de dados” e que “como prática de governança, uma investigação também será feita pela operadora”. Por sua vez, a Vivo afirma que “não teve incidente de vazamento de dados” e destacou que “possui os mais rígidos controles nos acessos aos dados dos seus consumidores e no combate a práticas que possam ameaçar a sua privacidade”.

Com informações: NeoFeed