Google Chrome passa por investigação antitruste no Reino Unido

Enquanto alguns usuários comemoram os planos do Google de eliminar cookies de terceiros de seu navegador Chrome, a medida chamou a atenção do departamento antitruste do órgão regulador de mercado no Reino Unido, a CMA, provocando uma investigação sobre as tais mudanças relacionadas à privacidade.

Google Chrome (Imagem: Nathana Rebouças)

Google Chrome (Imagem: Nathana Rebouças)

De acordo com as autoridades, a maior preocupação seria de que a medida resultasse em uma maior concentração da receita gerada por publicidade em produtos do ecossistema Google, promovendo o monopólio da empresa.

Google pretende banir cookies de terceiros até 2022

O projeto do Google deve demorar pelo menos até 2022 para ser concluído, e faz parte da iniciativa Privacy Sandbox, que propõe novos padrões de privacidade para a web. Segundo a empresa, o objetivo da mudança que agora está sob investigação é evitar que os usuários sejam rastreados por cookies de terceiros que possam oferecer algum risco à segurança de seus dados.

Nesse cenário, o Chrome passaria a trabalhar com “tokens de confiança” – que, em tese, ainda permitiriam que anunciantes fornecessem anúncios, mas com maiores limitações no uso de informações sensíveis.

Jornais e profissionais de Marketing reclamam

De acordo com as informações da CMA, editores de jornais e profissionais do mercado de publicidade digital no Reino Unido apresentaram reclamações alegando que o Google está “abusando de uma posição de domínio”, e que o projeto seria especialmente prejudicial para pequenas empresas.

A gigante da tecnologia defendeu seu projeto em comunicado:

A criação de uma web mais privada, ao mesmo tempo que permite aos editores e anunciantes que apoiam a Internet gratuita e aberta, exige que a indústria faça grandes mudanças na forma como a publicidade digital funciona. O Privacy Sandbox tem sido uma iniciativa aberta desde o início e agradecemos o envolvimento da CMA enquanto trabalhamos para desenvolver novas propostas para sustentar uma web saudável e com suporte de anúncios, sem cookies de terceiros.

O órgão regulador afirmou que ainda não chegou a uma conclusão e que tem mente aberta sobre o caso. A investigação deve continuar enquanto o desenvolvimento das ferramentas e propostas feitas pelo Google avançam.

Com informações: Engadget e TechCrunch