Facebook remove mais 4 tipos de fake news sobre vacinas e COVID-19

O Facebook reforçou suas políticas contra desinformação e passou a remover mais 4 tipos de fake news relacionadas à COVID-19 a partir desta segunda-feira (08). A rede social conta com a ajuda da Organização Mundial da Saúde (OMS) para mapear boatos virais que poderiam causar problemas de saúde pública – entre eles, estão os posts ligados ao movimento antivacina.

Tudo sobre Facebook Watch como assistir na TV, Celular, e PC / Kon Karampelas / Unsplash

Facebook (Imagem: Kon Karampelas / Unsplash)

Em sua Central de Ajuda, o Facebook afirma que irá apagar as publicações que sugerirem que a COVID-19 foi criada pelo homem ou “fabricada”. Além disso, a plataforma não permitirá as seguintes informações falsas sobre vacinas:

  • Que as vacinas não são capazes de proteger das doenças para as quais elas foram desenvolvidas;
  • Que é mais seguro pegar a doença do que ser vacinado;
  • Que vacinas são tóxicas, perigosas ou causam autismo.

As políticas servem para páginas, grupos e contas da rede social. Os usuários que continuarem a espalhar desinformação após ter uma publicação removida podem ser banidos. O Facebook contará ainda com profissionais verificadores de fatos terceirizados para examinar informações que não violem completamente suas políticas.

Promovendo informações confiáveis

Além de remover fake news, o Facebook afirmou que está fazendo parcerias com organizações de saúde e líderes comunitários para a criação de campanhas que promovam a circulação de informações seguras e precisas sobre a vacina contra a COVID-19 dentro da plataforma.

A Central de Informações sobre COVID-19 será preenchida com links que detalhem os planos de vacinação quando estes forem divulgados pelas autoridades de cada região. Além disso, esta central será levada também ao Instagram.

Em comunicado, a empresa que está doando US$ 120 milhões em créditos publicitários para auxiliar ministérios da saúde, ONGs e agências da ONU em todo o mundo no processo de vacinação.

Com informações: Facebook e Engadget