Bitcoin precisa de regras para evitar lavagem de dinheiro, diz BC europeu

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, criticou o papel do bitcoin em atividades “totalmente repreensíveis” de lavagem de dinheiro e afirma que a criptomoeda precisa de regulamentações acordadas globalmente. As declarações ocorreram durante uma entrevista em evento online organizado pela Reuters nesta quarta-feira (13).

Christine Lagarde (imagem: Adam Tinworth/Flickr)

Christine Lagarde (imagem: Adam Tinworth/Flickr)

“Para aqueles que presumiram que (o bitcoin) poderia se transformar em uma moeda, sinto muitíssimo, mas este… é um ativo altamente especulativo que conduziu alguns negócios enganosos e algumas atividades curiosas e totalmente repreensíveis de lavagem de dinheiro”, afirmou a ex-diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Bitcoin deve ser regulamentado em “nível global”

A presidente do BCE também acredita que a criptomoeda necessita de regras estabelecidas globalmente: “Tem que haver regulamentos, e isso tem que ser aplicado e acordado em nível global, porque se houver uma brecha, essa brecha será aproveitada”. Lagarde completa que para essa categoria de regulamentação requer “a cooperação global e a ação multilateral são absolutamente necessárias”.

A discussão sobre criptomoedas facilitarem a lavagem de dinheiro internacional está entre as prioridades dos principais órgãos reguladores de todo o mundo. A Rede de Fiscalização de Crimes Financeiros dos EUA (FinCEN) propõe justamente que instituições que lidam com moedas digitais sejam obrigadas a coletar informações pessoais dos proprietários de carteiras.

O órgão busca retirar o anonimato hoje presente na maioria de transações de criptomoedas. Criminosos abusam da natureza privativa e descentralizada de ativos digitais para converter recursos provenientes de atividades ilícitas em moedas digitais, e então novamente em dinheiro. Contudo, defensores dos criptoativos afirmam que os livros contábeis públicos registrados em redes blockchain também permitem que fundos sejam mais facilmente rastreados do que cédulas.

BCE faz consulta sobre “Euro Digital”

Lagarde também comentou que cerca de 8.000 pessoas comentaram sobre um possível Euro Digital em consulta pública que se encerrou nesta terça-feira (12). Esse seria o grau mais alto de interação sobre o tema, conforme aponta a presidente do BCE. “Nós estamos avançando, mas é uma área onde precisamos ser muito cuidadosos”, ressalta.

A entrevistada também afirmou que olhando para a China e o desenvolvimento da moeda digital estatal do país, Lagarde conclui que ainda deverá levar um “bom tempo para garantir que o sistema é seguro”.

Com informações; Reuters, Bloomberg